Casar ou morar junto?

Qual é o melhor jeito de iniciar uma vida a dois? Casar ou simplesmente ir morar junto? Parece que a turma que defende a informalidade nas relações, a que acha mais do que suficiente só juntar as escovas de dentes, é bem mais numerosa do que a que dá importância ao famoso “papel passado”.

A justificativa mais comum para essa preferência é, estranhamente, a hora da separação. É bem difundida a idéia de que é muito mais fácil se separar quando não se assinou papel nenhum. Basta cada um pegar suas coisas, ir para lados opostos e, pronto, ambos estão livres para refazerem sua vida. Mas será que é assim mesmo?

Não vamos entrar no mérito da complexidade das relações afetivas, pois isso é matéria para Gitti e Dr. Love analisarem. Mas não podemos negar que o que ocorre com um casal que está prestes a se separar independe de haver ou não registro do casamento em cartório. Mágoas, emoções conflitantes, tristezas – essas não respeitam o regime jurídico da relação para se instalarem.

A menos que o casal seja hippie, totalmente despreocupado com a aquisição de patrimônio, ou, ainda, que um dos dois tenha o espírito de Vinícius de Moraes – reza a lenda que Vinícius, ao terminar cada relacionamento seu, saía de casa levando apenas suas roupas – o momento da separação conjugal sempre irá gerar um ou outro desentendimento acerca dos bens. Desentendimentos estes que poderão ser resolvidos de maneira amigável e civilizada. Ou não.

E nessa última hipótese é que tudo complica quando só se mora junto.

Isso porque, como bem explicam as advogadas Magda e Maria Bethânia aqui nessa página, a relação daqueles que optaram por apenas morar junto prima pela informalidade. E, ao passo que é bem fácil se identificar o dia em que um casamento começa uma vez que a data está documentada em uma certidão, estabelecer o início de uma união estável (este é o termo jurídico, gente!) é um pouco mais complicado, dependendo de prova com testemunhas e/ou outros documentos.

Aí, se a ruptura da união se der de forma tumultuada, sem acordos, fica muito difícil para o juiz decidir como vai ser a partilha dos bens. É incrível, mas é verdade, – e mais comum do que a gente que trabalha na área gostaria – tem quem não consiga provar a data em que a união estável se iniciou, simplesmente porque o que para um era o início de uma família, para o outro era apenas um “vamos ver o que vai dar”. Enquanto um achava que estava casado, o outro achava que estava só dormindo com o(a) namorado(a). E haja briga!

É triste, mas já presenciei um ex-casal que afirmava datas para o início de sua união estável com uma diferença de quase cinco anos de uma para a outra. Sem contar os que não entram em acordo para estabelecer a data do término da união também. Um horror! E os bens adquiridos durante esse tempo indefinido pertencem a quem? Só Deus sabe, só Deus sabe!

Assim, se você quer maior segurança de que seus direitos patrimoniais serão respeitados quando, porventura, houver a separação conjugal, melhor mesmo é enfrentar o juiz de paz e assinar o livrão lá do cartório. Preto no branco, documentos… ainda é a forma mais garantida de estabelecer vínculos com outros humanos. Fazer o que, né?

Anúncios
Published in: on 8 fevereiro - 2008 at 10:45 am  Comments (10)  
Tags: , ,

The URI to TrackBack this entry is: https://loucaporblog.wordpress.com/2008/02/08/casar-ou-morar-junto/trackback/

RSS feed for comments on this post.

10 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Se dessa para ficar junto “até que a morte os separe” seria bem melhor, mas o vil metal é quem comanda tudo, então vamos aceitar a tua sugestão.Se bem que no meu caso é de papel passado e com comunhão universal de bens e não tenho motivo nenhum para queixas.
    Abraço

    Que beleza, Paulo! Um casamento feliz é uma jóia valiosa.

  2. Taí, não sabia dessa do Vinicius! Mas não tem jeito, nunca é amigável e nunca dá pra resolver as coisas facilmente. Tanto com papel passado quanto sem.

    Pois é… mas com “papel passado” a coisa fica menos complicada.

  3. Esse sempre foi meu conselho.
    Casar é melhor, com pacto então, é beleza.
    Beijos.
    Boa recuperação para sua sogra.

    Ela está se recuperando muito bem, Tati. 😀

  4. nossa…

    rsrsrsrsrs

    Tá, tá…

    Eu quero casar, mas os motivos são outros…

    Hehehehe

    Você quer casar por que ama. Melhor motivo do mundo… 😀

    Nem precisa ir tão fundo no mérito da questão….

  5. Eu li seu texto e só consegui lembrar de uma coisa que minha mãe sempre fala pra mim: se vc for iniciar um relacionamento já pensando em quando ele terminar, melhor nem começar.

    Claro que não somos inocentes e achamos que tudo será pra sempre. Pode ser que consigamos lutar até o fim e permanecer juntos, pode ser que as adversidades da vida nos faça mais fracos, mas o certo é que estamos sempre na corda bamba.

    Eu sempre disse que prefiro um relacionamento informal, sem essa de assinar papéis e juntar família e fazer festinha e blá blá blá… Sei lá… tema complexo que exigiria uma grande embromação da minha parte, para no final apenas dizer que: se casamento fosse bom, não precisava de testemunha! HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

    Mas a coisa é bem por aí mesmo, Ana! Duas pessoas morarem juntas é receita certa pra confusão. Por isso que é bom ter testemunhas… hauahuahauhaua…

  6. Olha, acho muito bom fazer o que eu e o Rô fizemos: moramos juntos por um tempo e depois casamos…
    O que é bom de morar junto é que vc vai conhecendo e convivendo com seu amado no dia-a-dia… e vê que todos temos manias, defeitos, chatices, gostos… aí vc decide se topa encarar tudo isso e oficializar o relacionamento.

    Acontece que um relacionamento já é oficial desde o dia em que ele começa. A diferença é que, quando só se mora junto, não há um documento pra provar isso. E, dependendo do caso, tudo o que se precisa é justamente dessa famigerada prova…

  7. Desde que se tenha clareza de pensamentos e fidelidade aos princípios, pessoas esclarecidas não pendem pro barraco e para a mesquinhez.
    Eu moro junto, tenho imóvel junto e sempre conversamos sobre o assunto de maneira tranqüila.
    Se um dia tivermos a infelicidade de nos separarmos, seremos corretos também, quanto a divisão de bens.

    Engraçadinha, minha linda, vocês são, graças a Deus, a exceção que confirmam a regra. Porque a regra é, infelizmente, o barraco e a baixaria… 😦

  8. Olá moça do nome bonito! rs…

    obrigado, fico feliz que tenha gostado do meu blog!

    O seu continua uma maravilha, sempre com textos interessantes! até mesmo sobre o Sayd,rs…

    Bom… Casar ou morar junto ¿ hum….
    Morar junto, pq se casar fosse bom, não precisava de juiz e duas testemunhas. rs… Mas dividir a felicidade com alguém eu diria que é algo fundamental a nossa alma e corpo.

    abraços e bjus

    Ah, meu xará… dividir felicidade é fácil… difícil é dividir os bens depois que essa felicidade vai pelo ralo… hauahuahauahau… Beijos!!!

    Claudio

  9. eu tenho 21anos

  10. eu tenho 21 anos meu nome e laura moro em pernabuco


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: