Orkut

Cometi orkuticídio em novembro do ano passado. Eu acho. Me aborreci com algumas assombrações que apareceram, pessoas que me acharam pelo orkut, e resolvi deletar minha conta. E não sinto a menor falta.
Tudo bem que eu já quase não acessava o orkut mesmo. Pra não deixar o scrapbook às moscas, habilitei a paradinha de receber aviso por email quando deixavam novos recados e só entrava no dito cujo pra responder – ou deletar – quem ainda insistia em me contatar por ali. Não visitava comunidade nenhuma, não futucava na página de quase ninguém, não brincava de nada. Realmente, orkut nunca foi um grande passatempo pra mim.
Mas ontem, enquanto lavava louça…
Pausa pra um parênteses
(Gente!!! Que coisa triste é tirar férias pra ser dona de casa. Vou te contar, viu! Ontem passei uma pilha de roupa maior do que eu, lavei louça pacas… hoje, antes das oito da matina, já estava com almoço no fogo e lavando mais um monte de louça suja. Já varri a casa, coloquei roupa de cama pra lavar… NINGUÉM MERECE ISSO!!!! Vamos combinar que férias boas são aquelas em que você viaja, fica num hotel e só se preocupa em salgar as partes e dourar a virilha*)
Fim do parênteses.
… então. Ontem, enquanto lavava louça, sei lá porque fiquei pensando no meu orkut suicidado. Aí me lembrei de uma coisa que me deixava contente quando tinha aquilo lá: ver quem eram as pessoinhas que acessavam minha página.
Tinha um menino, em especial, que me deixava muito contente quando eu via o nominho dele lá na lista de quem tinha acessado. Esse moço é o mesmo dessa história aqui e, como já escrito no texto desse link – vai lá ler, vai! -, ele é um filho do coração que está longe. E toda vez que eu via que ele tinha visitado minha página do orkut, eu ficava feliz. E ia na página dele também, só pra ele ver meu nome lá depois de alguns dias. Aproveitava pra olhar os scraps e ver o que ele estava fazendo. Aliás, a tal viagem que ele fez do Rio à Paraíba pilotando sua Biz, acompanhei em sua página, que virou um tipo de diário de bordo.
Pois é… sem meu orkut, não dá pra me manter atualizada sobre a vida desse menino que amo tanto. Só às vezes, quando encontro com a mãe dele, tenho algumas notícias, mas, cês sabem como é, mãe é uma coisa desatualizada e por fora da vida dos filhos, o que significa que ela nunca tem muito o que me dizer. Enfim…
* by família Vitiello
Anúncios
Published in: on 14 março - 2008 at 4:31 pm  Comments (26)  

Tá errado

Daí que você há tempos se sente inadequada, mas agora não consegue fingir que não vê isso. O tal sentimento, o de inadequação, depois de todo esse tempo, só ficou maior, mais gordo e mais inconveniente.

Daí que você vê que esse sentimento besta só é mais ou menos tolerado em adolescentes. Afinal, uma quarentona se sentindo “fora do esquadro” é ridículo demais, faça-me o favor!

Daí que você faz coisas que parecem sérias, mas você mesma não se leva a sério. E quem tá por perto também não te leva a sério. E te olham com uma cara tipo “ah… paciência… ela nunca foi muito séria mesmo…”

Daí que você quer ficar indignada com isso, mas não consegue porque, no fim de tudo, você acha que merece. Não pensa direito, gosta do que não tem gosto, se anima – ou desanima – com bobagens. Você merece.

Daí que isso te dá raiva. Muita raiva. Muita raiva.

 

Published in: on 12 março - 2008 at 7:37 am  Comments (12)