Voltei a trabalhar, gente

Ontem. Voltei ontem. De cara, tivemos uma audiência com um menino de 15 anos que matou um homem por causa de briga sobre linha de pipa. Pois é… motivo bom pra se matar um homem.

Mas fiquei contente de voltar a trabalhar. Aqui na minha terra só chove – bom, hoje está sol – e eu não tinha mesmo mais nada a fazer, além de comer e dormir. Então, acho que já estava na hora mesmo.

Tenho lido muito. Coisas boas e coisas chinfrins. Li um romance do Luis Fernando Veríssimo, A Décima Segunda Noite, e o cara é mesmo gênio. O livro é inspirado em uma comédia de Shakespeare e eu sempre adoro o que o LFV escreve.

Estou na metade da edição de contos completos da Virgínia Woolf, mas parei pra ler três outros livros, sendo que só um deles vale a pena, menos pelo estilo do que pela história. O livro se chama Evelyn e conta a história de um pai de família na Irlanda da década de 50 que luta na justiça pra ter a guarda de seus filhos, internados em orfanatos depois que a mãe fugiu com o amante. Evelyn é a filha mais velha de tal homem e ela mesma é a escritora. Sim, sim, é “fato verídico” -expressão idiota essa, já que, se é fato, só pode ser verídico.

Estou me sentindo ligeiramente oca. É estranho. Aquela coisa de não estar nem feliz e nem triste, sabe como? Mas tenho momentos alegres, muitos momentos alegres. Pois é… tá valendo.

Anúncios
Published in: on 8 janeiro - 2009 at 11:33 am  Comments (5)