Das cartas que não mandamos: All Star azul

Então que hoje, enquanto caminhava, tocou no MP3 aquela música da Cassia Eller.. aquela que fala sobre All Star azul, tênis de cano alto… não sei o nome da música. Uma bobagem, é sim, uma bobagem. Mas, já te disse, essa música me lembra a época que a gente começou a namorar. Quando falei isso, você torceu a cara… eu sei…  você não gosta da Cassia Eller. Eu gosto… você sabe, né? Então… normalmente eu pulo essa música. Pulo outras também. Pulo aquela do Nando Reis que fala que tem certeza que com determinada pessoa daria certo… ah… pulo um monte de músicas. Mas hoje resolvi ouvir essa do tênis. Já tem tanto tempo, né? Você não usava tênis quando a gente começou a namorar… nem eu… a gente era tão sério, tão adulto… agora tenho um all star, mas é marrom. Só que você morava em Laranjeiras, no 12º andar. E eu ficava tão feliz de entrar naquele elevador, não via a hora de te encontrar pra continuar aquela conversa… ai… olha, chorei muito. Tá, tá… estou chorando agora também, mas hoje, enquanto caminhava, chorei muito. E na rua…. chorar na rua é bem constrangedor, mas eu estava de boné e sem lentes de contato… eu não enxergava ninguém… então, tive a ilusão de que ninguém percebeu minha cara inchada, meu nariz vermelho. Chorei – e choro – porque me lembro claramente de como a gente era. Eu lembro, sabe? Nunca me esqueci… a gente era tão feliz… a gente ia ser tão feliz… a gente foi tão feliz… como é que a gente veio dar nisso? Não sei… ou sei… acho que sei… sei lá… a gente sabe, a gente sabe… a gente sempre sabe.

Published in: on 13 março - 2009 at 12:54 am  Comments (1)