Pra não dizer que não falei de flores*

Me passa tanta coisa pela mente que simplesmente não consigo escrever. De verdade, não consigo nem ordenar os pensamentos de forma coerente. Sempre fui tão… certinha. Certinha? Não… não é esta a palavra. Vou tentar de novo. Sempre fui tão ciosa em tentar me comportar de acordo com minhas opiniões. Mas isso é uma prisão, né?

Penso de um jeito e quero agir de outro. Se tivesse como gravar o que passa pela minha cabeça. Meu Deus! A quantidade de pensamentos que rejeito é absurda. Auto-censura, auto-controle, auto-qualquer-coisa-sei-lá-o-que. Quanto de previsão que faço! Se agir assim, o resultado será esse; mas se fizer assado, a coisa vai ser daquele outro jeito. Pra que pensar tanto?!? Eu quase nunca me surpreendo.

Uma coisa que sempre tento é me afastar de pessoas que me fazem ter más sensações. Tem gente que é assim, né? Uma meia hora de conversa é o suficiente pra te estragar o dia. Mas, por motivos que teimo em ignorar, alguns com esse dom de me estragar me atraem. E eu sei que vou ficar mal se me aproximar do dito ser. Então… escolho ficar mal porque não cedo à vontade de ficar junto ou devo preferir ficar mal porque me aproximei? Grandes opções… 

Nhé, nhé, nhé… esquece… vou colocar uma foténha pra mó di mudar de assunto:

dsc00066Parque das Águas – nov/08

Adoro florzinhas. Pequeninas e de cores variadas. Adoro. Um lugar que tem florzinhas parece muito mais alegre. Ai, ai…

 *título escolhido depois que o texto estava pronto. Talvez seja o jeito mais fácil de fazer isso.

 

Upidêite: sei lá, gente… depois de escrever isso aqui, ler algumas coisas e conversar com dois ou três incautos, resolvi “seguir meu coração”. Cara… só uma coisa a dizer: não tentem fazer isso em casa sem a supervisão de um adulto.

 

Published in: on 23 novembro - 2008 at 3:37 pm  Comments (8)  

Preciso escrever…

… sobre como escrever é bom. Mas agora não vai dar. Tenho que ir ao mercado.

Published in: on 14 novembro - 2008 at 6:23 pm  Comments (2)